A nossa história

Gostaríamos de contar uma história bem romântica de como nos conhecemos, mas não foi bem assim.

 

Tudo começa em outubro de 2016, quando Matheus resolveu que queria se mudar do Brasil, sair do Rio onde era feliz,  ou nem tão feliz assim. Claramente o golpe foi um dos fatores de motivação, mas não foi somente isso. Ele também queria um período sabático, viajar e conhecer novas culturas com mais tempo. Foi assim que se decidiu ir para o México e ver qual era. Se mudou com uma mala, uma mochila e o Mingau, que foi um sucesso no Galeão e no aeroporto do Panamá, onde fizeram escala.

 

Enquanto isso, Salvador vivia a vida dele tranquilo, ou nem tão tranquilo assim, na Cidade do México. Trabalho, trânsito e mais trabalho. Foi aí que por coincidência do destino, Matheus havia se mudado ara um apê no mesmo bairro do Salvador, mas ainda não se conheciam.

 

Matheus ainda não falava bem o espanhol, estava praticando assistindo aos 130 episódios de Infames, uma novela de produção mexicana que estava disponível na Netflix. Foi quando resolveram sair para um passeio no Parque Hundido, que ficava entre os dois apês, e se olharam….só que não.

 

Na verdade os dois resolveram abrir o Grindr, um aplicativo gay de paquera, tipo o Tinder. Foi aí onde tudo começou. E agora 4 anos e meio depois, resolvemos nos casar. Sim, existe amor além do Grindr!

 

Queríamos muito um encontro, uma festa, uma comemoração com os amigos e com nossas famílias, seja aqui na CDMX ou aí em Beagá, mas infelizmente o momento que estamos agora nessa pandemia não nos permitem. Mas, com certeza, nos reuniremos em breve, assim que vencermos juntos essa situação.

 

Mas para quê esperar o final da pandemia para celebrar o amor e a união de duas pessoas que se amam e se respeitam, né? Por isso, com toda alegria comunicamos que nos casaremos esta sexta-feira, dia 4 de junho de 2021. E não é por acaso que escolhemos esta data. Junho é o mês do Orgulho LGBTQIA+. É um mês que simboliza a resistência de um grupo diverso de pessoas que foram e são oprimidas por séculos por serem quem são, por sua orientação sexual, por sua identidade, pelo seu gênero, pela maneira com a qual se apresentam para o mundo.

 

Então, por isso, resolvemos celebrar o nosso amor e registrar o nosso casamento que só foi reconhecido legalmente há poucos anos, para representar todas as gerações passadas que não tiveram esse direto tão básico reconhecido ou respeitado. E queremos dividir esta conquista e alegria com vocês!